Payfac

O que é o Pix: conheça agora e tire todas as suas dúvidas

Com espírito de startup e mais de 30 anos de história, oferecemos ao mercado plataformas completas e flexíveis para o mercado financeiro e de pagamentos, gestão de riscos e o setor varejista.


Você sabe o que é o Pix? Se você ainda tem dúvidas sobre essa nova forma de pagamento, fique neste artigo que vamos explicar tudo!

O setor financeiro passou por diversas transformações nos últimos anos. No Brasil, empresas e seus clientes dependiam de bancos tradicionais para fazer suas transações até pouco tempo. Mas, a partir de 2013, começaram a surgir novos arranjos de pagamento, que incluem as famosas fintechs. Por isso, a legislação e o mercado brasileiro precisaram se adaptar. 

No novembro de 2020, o Banco Central lançou a nova forma de pagamento da categoria de pagamentos instantâneos, o Pix. Essa notícia deixou o mercado e os consumidores bastante ansiosos. Afinal, a possibilidade de transferências e pagamentos, gratuitos, instantâneos e disponíveis a qualquer momento prometia ser uma das principais revoluções na economia brasileira da década

Contudo, ainda existem muitas dúvidas sobre o assunto: o que é o Pix, como funciona e o que muda com essa nova tecnologia? Neste conteúdo, você vai entender tudo isso e ainda terá a chance de descobrir como esse tipo de transação vai facilitar a abertura e expansão de novos negócios. Confira!

O que é o Pix?

Em primeiro lugar, é importante esclarecer o que é o Pix, o novo sistema de pagamentos instantâneos criado pelo Banco Central e implementado em 2020. 

Com esse modelo, pessoas físicas e jurídicas podem fazer transferências de maneira rápida e barata, em qualquer dia da semana ou horário, inclusive feriados e fins de semana. 

Além disso, também é possível utilizar o Pix para pagamentos em estabelecimentos comerciais, faturas de serviços (telefonia e energia elétrica, por exemplo) e recolhimento de impostos.

Como funcionam as chaves Pix?

Dentro do entendimento sobre o que é o Pix, um elemento muito falado e importante para o processo é a chave Pix. Este é um recurso desenvolvimento pelo Banco Central como uma forma de identificar a conta do recebedor. Esse código pode ser o número do CPF/CNPJ, o telefone, o e-mail ou uma sequência de letras e números aleatória, definida pelo Banco Central. 

Assim, não será mais necessário fornecer todas as informações da conta , como número, agência e  CPF/CNPJ na hora de fazer transferências. Ainda será possível fazer pagamentos da maneira tradicional, mas a ideia é que, cada vez mais, as chaves sejam adotadas pela população e facilitem as transações. 

Para utilizar o serviço, não é necessário baixar nenhum aplicativo extra ou fazer um cadastro complicado. O cadastro das chaves é feito no próprio aplicativo do banco  ou via internet banking.

O que muda com o Pix?

Antes, as transações entre bancos eram feitas somente por TED, DOC, boleto ou cheque. Em qualquer uma dessas opções, a operação costuma demorar de minutos a dias para ser concluída e têm um custo para o usuário. Entendendo o que é o Pix, esses pagamentos passam a ser instantâneos e gratuitos para pessoas físicas. 

Já para pessoas jurídicas, há taxas. Porém, o custo para a empresa não foi tabelado pelo Banco Central. Isso significa que cada instituição financeira pode aplicar valores próprios, de acordo com o seu modelo de negócio, e esse valor tende a ser bem mais baixo do que os gastos com cartões de débito ou boletos, por exemplo.

Quais são as vantagens do Pix para as empresas?

Segundo o Banco Central, essa nova modalidade de pagamento surgiu para, entre outros motivos, alavancar a competitividade e eficiência da economia brasileira. Além de baixar o custo, aumentar a segurança e incentivar a eletronização dos pagamentos no mercado de varejo. Tudo isso parece ótimo, certo? Mas como essas mudanças impactam de fato nas empresas? 

Transações sem intermediários

Existem várias respostas, mas a principal delas é que o Pix vai mudar todo o fluxo de pagamento que existe. Hoje, quando um cliente faz uma compra e paga no cartão, seja de débito ou crédito, existem vários intermediários: o banco emissor do cartão, as adquirentes que são donas das maquininhas, a bandeira do cartão e o processador de pagamentos.

Com o Pix, a maior parte disso fica de lado, ao menos no que diz respeito aos pagamentos em débito. A partir de agora são necessárias apenas duas contas, que podem ser conta corrente, poupança ou de pagamento.

Se quiser, o cliente também pode fazer um Pix de forma física, usando o seu celular para ler o código QR no estabelecimento. Resumindo, as transações terão custo zero para o usuário pessoa física, e serão facilitadas para as empresas envolvidas. 

Além disso, a sua empresa também pode reduzir custos com o transporte de numerário (dinheiro físico), uma vez que fará a maior parte das transações de forma digital.

Novos modelos de negócio

Essa nova realidade que envolve tudo o que é o Pix também abre portas para novos modelos de negócio, que antes não eram possíveis ou bem menos populares. 

Um deles é a Fintech Embarcada, um conceito que descreve empresas que não são do mercado financeiro, mas passam também a oferecer soluções de pagamento. Alguns exemplos incluem os casos do Mercado Pago (Mercado Livre), OLX Pay (OLX) e Magalu Pay (Magazine Luiza). 

Isso permite que essas grandes empresas aproveitem a sua cadeia de valor e os volumes transacionados por todos os seus stakeholders (fornecedores, colaboradores e clientes, por exemplo). Assim, além de praticidade para o cliente final, a empresa desenvolve um segundo modelo de negócio agregado ao seu core business.

Além dele, tem potencial de crescimento também o modelo de Banking as Service (BaaS), no qual empresas de qualquer segmento podem oferecer serviços de uma fintech sem precisar dos investimentos em infraestrutura, segurança e burocracia que seriam necessários caso fossem, de fato, abrir uma instituição de pagamento do zero.

Por conta de tudo isso, entender o que é o Pix tem se mostrado uma excelente oportunidade para empreendedores que querem aproveitar essa nova leva de negócios digitais. E, se restou alguma dúvida, acesse o nosso blog para conhecer ainda mais conteúdos sobre o tema!
 

Similar posts

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Quer saber quais são as últimas notícias do setor em primeira mão? O seu próximo clique tem que ser aqui.